COMPARTILHE E AJUDE INFORMAR MAIS PESSOAS

O senador Weverton Rocha (PDT) reafirmou nesta terça-feira (18), durante entrevista ao Quadro Bastidores, da TV Mirante, apresentado pela jornalista Carla Lima, sua pré-candidatura ao Governo do Maranhão.

O pedetista confirmou, ainda, sua pré-disposição de estar com o governador Flávio Dino (PSB) no seu projeto de concorrer ao Senado Federal.

“Tenho muito respeito e carinho pelo governador Flávio Dino. Reconhecemos o seu trabalho e avalio que ele será um grande senador. Se por acaso ele não estiver comigo, tenho toda pré-disposição de estar com ele [para o Senado]”, disse.

Questionado sobre um encontro que o socialista pretende realizar no próximo dia 31, no qual reunirá presidentes de partidos que lhe prestam apoio, Weverton afirmou não estar preocupado com o desfecho do mesmo.

Ao ratificar que não irá recuar do projeto governamental, explicou que age de maneira franca. “Sou franco e quando você age assim mantém amizades longas. Reconheço os avanços do governo Flávio Dino. Mas também reconheço que podemos avançar ainda mais, fazendo, por exemplo, uma gestão que possa explorar melhor nosso potencial turístico; que possa gerenciar melhor a capacidade industrial do Estado. O governador fez sua escolha pessoal [pelo vice-governador Carlos Brandão]. E eu sou pré-candidato a governador. Não irei recuar e quero ser candidato do povo do Maranhão”.

Sobre a pecha de traidor que alguns aliados do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e do próprio Dino tentam lhe impor, o pedetista disse que não irá aceitar.

“Sempre estive ao lado do governador Flávio Dino. Em todos os momentos e não vou aceitar isso. A cadeira do Palácio não é invencível”, comentou referindo-se ao fato de Brandão avaliar que deve ser o escolhido do grupo unicamente pelo fato de que comandará o Estado a partir de abril.

Também questionado sobre uma Carta Compromisso, proposta por Flávio Dino e que estabelecia critérios para escolha do candidato de consenso do campo governista, Weverton avaliou que o documento não mais será discutido.

“Avalio que não era para ter discussão e sim decisão. Cumpri todos os requisitos. Basta constatar, por exemplo, as pesquisas de intenção de voto divulgadas por veículos e grupos diferentes”.

Apesar do ano eleitoral, o senador afirmou estar mais preocupado, neste momento, com a situação de milhares de maranhenses atingidos pelas enchentes e que também estão sendo vítimas da proliferação da Covid e de outras síndromes gripais.